..."o espaço geográfico não se revela apenas nas aparência das coisas, mas sobretudo na investigação das razões que determinam essa aparência." de Diamantino Pereira, Douglas Santos, Marcos de Carvalho.

quarta-feira, 26 de setembro de 2012

Complexo Centro-Sul e Região Concentrada.

       Na visão do Geógrafo Pedro Pincha Geiber regionalizar o Brasil, em complexos regionais, os quais utilizam também das características econômicas, demográficas, naturais ( que o IBGE utiliza) e mais a integração econômica promovida pela industrialização. Fez a divisão de 3 complexos regionais: Amazônico, Centro-Sul e Nordeste.


O Complexo Regional Centro-Sul é a região geoeconômica mais produtiva do país, tendo em vista que contém vários estados com diversos tipos de indústria, climas, relevo, etc. Encontram-se no Centro Sul os estados do Rio Grande do Sul, Santa Catarina, Paraná, São Paulo, Rio de Janeiro, Espírito Santo, Minas Gerais, Mato Grosso do Sul, Goiás e Distrito Federal. Tem as macrorregiões do Centro-Oeste, Sudeste e Sul. 

As industrias no Brasil.

O complexo regional do Centro-Sul ocupa um lugar de destaque no desenvolvimento econômico, tecnológico e industrial do país. Essa macro-região abrange 25% do território nacional, no qual vive a maioria da população: cerca de 68%. Desta forma, possui a maior população absoluta e relativa dentre todos os complexos regionais. 

O complexo regional do Centro-Sul possui um parque industrial desenvolvido e diversificado, apresentando um grande dinamismo produtivo. O mesmo abriga grandes empresas nacionais, transnacionais e financeiras, detém uma grande produção industrial e uma eficiente rede de transportes. É no Centro-Sul que se registram as maiores rendas e os melhores Índices de Desenvolvimento Humano do Brasil.

Características físicas.

Relevo

O relevo do Centro-Sul é bastante diversificado, caracterizado por vários planaltos, planícies e depressões. No leste da região encontram-se os planaltos e serras do Atlântico-leste-sudeste, também chamados de terras altas, pois grande parte de sua área tem elevadas altitudes, chegando a mais de 1000 metros. Nesses planaltos também existem escarpas, como a Serra do Mar e a Serra da Mantiqueira.

Serra da Mantiqueira

Em uma grande área do oeste e central da região é ocupada pelos planaltos e chapadas da bacia do Paraná, que foram formados por intensos derrames vulcânicos, deixando o solo bastante fértil.

Na parte central, que se extende desde o sul de Santa Catarina e vai até o norte de São Paulo encontramos as depressões periféridas da borda leste do rio Paraná. No sul do Mato Grosso e noroeste de Mato Grosso do Sul encontram-se as planícies do pantanal mato grossense. Na ponta norte, no estado de Goiás e sul de Tocantins temos a depressão causada pelo rio Araguaia.

Logo abaixo também tem outra depressão formada pelo rio São Francisco, e no meio destas duas depressões encontram-se os planaltos e serras de Goiás-Minas, que tem um formato de triângulo, dividindo três grandes bacias hidrográficas, a Amazônica, a do Araguaia Tocantins e do Paraná.

Hidrografia

Dentro do Complexo regional do Centro-Sul encontram-se partes de grandes bacias hidrográficas: a do rio Paraná, a do rio São Francisco, e uma pequena parte da bacia do Araguaia-Tocantins. 

Os rios do Paraná encontram-se em grande parte nos planaltos, onde o relevo é bastante acidentado, proporcionando as condições ideais para a construção de grandes usinas hidrelétricas, como é o caso da Usina de Itaipu. Ela é responsável por grande parte da produção da energia consumida no sul do Brasil, e também fornece energia para o Paraguai.


Uma parte do Rio São Francisco corta a região Centro-Sul, que também é bastante utilizado na produção de energia elétrica. Também é utilizado para irrigação, transporte de pessoas, cargas, etc. (veja mais detalhes sobre o rio São Francisco na página do Complexo Regional do Nordeste)

Clima

O clima na região geoeconômica do Centro-Sul é bastante diversificado, por várias razões: latitude e longitude (localização no planeta), maritimidade, massas de ar, grande ocupação humana (indústrias, poluição, etc), etc.


Na parte central da região encontra-se o clima denominado Tropical de Altitude, em razão das elevadas altitudes encontradas nesse local. As temperaturas são amenas durante o ano todo, com chuvas bastante concentradas no verão (Novembro-Fevereiro). Cobre parte dos estados de São Paulo, Minas Gerais, Espirito Santo, Rio de Janeiro e Paraná.

No sul do país, o clima Subtropical está presente nos estados do Rio Grande do Sul, Santa Catarina e a parte sul do Paraná. Este clima é caracterizado por ter as quatro estações bem definidas, pois as chuvas são muito bem distribuídas durante o ano todo. É também o clima que contém as menores temperaturas do Brasil, dando destaque para a serra catarinense, onde em algumas cidades a temperatura pode ser negativa (São Joaquim, Urubici, etc).


O clima que encobre boa parte do centro-sul é o Tropical, que se extende desde Mato Grosso do Sul até o sul de Tocantins, e com partes em Minas Gerais, Espirito Santo e São Paulo. É um clima quente, com altas temperaturas o ano todo. As chuvas estão presentes praticamente apenas no verão, deixando o inverno muito seco. Fatores que contribuem para essas condições são a continentalidade (não sofre tantas influências do oceano, como no clima subtropical), as grandes cidades, que com sua poluição acabam modificando as massas de ar, baixas altitudes.

A Região Concetrada

Na observação de Milton Santos e Maria Laura em 2000 juntos com o critérios usados pelo IBGE mais a historia da organização espacial dessas regiões, incorporando as mudanças cientificas, técnicas, tecnológicas e de comunicação dentro da industria, agricultura e nos serviços. Incorporando as macrorregiões do Sul e Sudeste se forma a Região Concentrada.


Região concentrada é a área onde os acréscimos de ciência e tecnologia ao território se verificam de modo contínuo. Expressão mais intensa do meio técnico-científico-informacional, essa região abrange os estados do Sudeste (Espírito Santo, Rio de Janeiro, Minas Gerais e São Paulo), os estados do Sul (Paraná, Santa Catarina e Rio Grande do Sul) e dois estados do Centro-oeste (Mato Grosso do Sul e Goiás), tendo como pólo as metrópoles de São Paulo e do Rio de Janeiro.

Nessa região, a modernização generalizada e a intensa circulação interna e com outras regiões e países correspondem a uma marcada divisão territorial do trabalho. Sede da agricultura mais moderna do Brasil e do mais expansivo desenvolvimento industrial e financeiro, essa área concentra, também, os níveis superiores dos sistemas de saúde, educação, lazer e serviços modernos, como a publicidade, cujas demandas são garantidas pelo consumo dessa grande concentração produtiva e populacional.

As metrópoles de São Paulo e do Rio de Janeiro sediam os escritórios das mais poderosas firmas nacionais e das filiais das empresas globais, que têm um papel de controle do mercado nacional e de comando do respectivo território. É em São Paulo que se elabora e concentra a maior parcela das informações sobre a economia, a sociedade e o território. 
OBSERVE o estado de São Paulo (SP).

A acumulação de atividades intelectuais assegura a essa metrópole o predomínio das atividades produtivas de ponta, a função de suporte aos segmentos modernos da economia do país e, em decorrência, um caráter de encruzilhada na expansão do meio técnico-científico-informacional. Como o território deve ser usado, hoje, com o conhecimento simultâneo das ações empreendidas em lugares distantes, a sua função de centro informacional lhe concede uma nova hierarquia no sistema urbano brasileiro.



Fontes:
www.brasilescola.com
www.infoescola.com
www.tecsi.fea.usp.br

2 comentários:

  1. Nossa, tive que copiar tudo isso direitinho, sem nenhuma palavra faltando, affs!

    ResponderExcluir
  2. ichi... é mesmo ho se copiar errado é foda

    ResponderExcluir